Campeonato Nacional de Juvenis e Absolutos de Portugal OPEN

Decorreu nos passados dias 1 a 4 de Agosto o Campeonato Nacional de Juvenis e Absolutos de Portugal OPEN, no complexo de piscinas Olimpicas do Funchal que encerra assim a época 2018-2019 nas competições de Natação Pura.

Nesta competição estiveram presentes 110 clubes e 740 atletas provenientes de todo o país e 2 atletas da Suiça.

Pela ANCNP, destacam-se alguns atletas dos nossos clubes que foram ao pódio, em especial a atleta Ana Rodrigues da Sanjoanense que bateu recorde nacional Absoluto nos 50m Livres.

A ANCNP dá os parabéns à Associação de Natação da Madeira e FPN pela excelente organização e condições dadas aos clubes e atletas.

Pode consultar todos os resultados aqui.

 

“Presidente da FPN, António José Silva em balanço: “Muito positivo, não só o balanço destes campeonatos, mas de toda a época, que foi altamente exigente, mas altamente proveitosa. Obtivemos cinco atletas com mínimos de integração para o projeto olímpico e três muito próximos de integrar. Excecionais campeonatos mundiais de piscina curta em Hangzhou, na China, em dezembro [de 2018], a melhor classificação de sempre nos mundiais de piscina longa, em Gwangju, na Coreia do Sul, em julho, e estes campeonatos foram o culminar desta época com 20 recordes batidos, cinco dos quais absolutos. Uma moldura excecional, uma organização exemplar. Agradeço muito o apoio da Câmara Municipal do Funchal e do Governo regional da Madeira, via secretaria regional do Turismo, secretaria regional da Educação e a Associação de Natação da Madeira. Conseguimos nestes quatro dias, nesta moldura humana digna de registo, obter resultados, com 110 clubes, 740 nadadores, muitos familiares e a piscina sempre cheia, a assistir. Foi um momento único de propaganda e de divulgação da natação. Significa que o trabalho foi bem feito. Estava apontado para os campeonatos mundiais [em Gwangju, na Coreia do Sul, em julho], mas, fruto de vários circunstancialismos, algumas marcas não saíram e sabíamos que, mais tarde ou mais cedo, iriam sair como aconteceram aqui. O caminho é este. É continuar a trabalhar, com uma estratégia e objetivos muito bem definidos, num sentido de, no Ano Olímpico, o momento mais alto e mais importante da época, que encerra o ciclo 2016-2020, consigamos obter o registo que já nos foge desde 1984, que é a final olímpica. Estou convencido que, em Tóquio, vamos ter essa final olímpica.”

(FPN)